6 de janeiro de 2007

Do Romanceiro Gitano

Um pouco de Lorca (1898-1936).


A casada infiel

.....A Lydia Cabrera
.....e à sua negrinha


E eu que a levei até o rio
achando que era donzela,
mas ela tinha marido.
Foi na noite de Santiago
e quase por compromisso.
Apagaram-se os lampiões
e se acenderam os grilos.
Pelas últimas esquinas
toquei seus peitos dormidos,
que a mim se abriram de pronto
como ramos de jacintos.
A goma de sua anágua
ao meu ouvido soava
como uma peça de seda
lacerada por dez facas.
Sem luz de prata nas copas
as árvores têm crescido,
e um horizonte de cães
ladra bem longe do rio.

*

Passadas as amoreiras,
os juncos e os espinheiros,
para abrigar seus cabelos
fiz um ninho sobre o limo.
Eu tirei minha gravata.
Ela tirou o vestido.
Eu, o cinto com revólver.
Ela, seus quatro corpetes.
Nem flores nem caracóis
têm uma pele tão fina,
nem os cristais sob a lua
resplendem com um tal brilho.
Suas coxas me escapavam
como peixes surpreendidos,
metade cheias de luz,
metade cheias de frio.
Naquela noite trilhei
dos caminhos o melhor,
montado em potra de nácar
sem rédeas e sem estribos.
Não vou dizer, por ser homem,
as coisas que ela me disse.
A luz do entendimento
me faz ser mais comedido.
Suja de beijos e areia
levei-a embora do rio.
Ao vento se digladiavam,
no ar, as espadas dos lírios.

Portei-me como quem sou.
Como um gitano legítimo.
Dei-lhe um cesto de costura
grande, de raso palhiço,
e não quis me enamorar
porque, tendo ela marido,
me disse que era donzela
quando a levava até o rio.

.....trad. Fábio Aristimunho


La casada infiel

.....A Lydia Cabrera
.....y a su negrita

Y que yo me la llevé al río
creyendo que era mozuela,
pero tenía marido.
Fue la noche de Santiago
y casi por compromiso.
Se apagaron los faroles
y se encendieron los grillos.
En las últimas esquinas
toqué sus pechos dormidos,
y se me abrieron de pronto
como ramos de jacintos.
El almidón de su enagua
me sonaba en el oído,
como una pieza de seda
rasgada por diez cuchillos.
Sin luz de plata en sus copas
los árboles han crecido
y un horizonte de perros
ladra muy lejos del río.

*

Pasadas las zarzamoras,
los juncos y los espinos,
bajo su mata de pelo
hice un hoyo sobre el limo.
Yo me quité la corbata.
Ella se quitó el vestido.
Yo el cinturón con revólver.
Ella sus cuatro corpiños.
Ni nardos ni caracolas
tienen el cutis tan fino,
ni los cristales con luna
relumbran con ese brillo.
Sus muslos se me escapaban
como peces sorprendidos,
la mitad llenos de lumbre,
la mitad llenos de frío.
Aquella noche corrí
el mejor de los caminos,
montado en potra de nácar
sin bridas y sin estribos.
No quiero decir, por hombre,
las cosas que ella me dijo.
La luz del entendimiento
me hace ser muy comedido.
Sucia de besos y arena
yo me la llevé del río.
Con el aire se batían
las espadas de los lirios.

Me porté como quién soy.
Como un gitano legítimo.
La regalé un costurero
grande, de raso pajizo,
y no quise enamorarme
porque teniendo marido
me dijo que era mozuela
cuando la llevaba al río.

.....Federico Garcia Lorca

6 comentários:

Carol Marossi disse...

Snoop, tuas traduções estão cada dia melhores! Meus mais sinceros parabéns!
Quem sabe quando eu ficar velhinha eu não consiga fazer coisas assim tão bonitas também?

Beijinhos!

Julia disse...

Concordo com a Carol, achei linda a tradução, demais mesmo!

Snoopy, se voce puder me mandar o site em que hà a tal antologia, soh pra eu saber a cara dela, nao sera o menor problema comprar quando eu for pr barça... Mas você tem tempo, soh vou dia 26/01 ok?
Saudades de sair com voces pra beber, mane um beio pra Ju

Julia disse...

Oops, mande um beijo pra Ju e um beijo pra você!
(esse teclado francês é bizarro, não repare a falta de alguns acentos)

Márcio Bezerra disse...

belo poema, bela tradução, parabéns, grandes abraços poeta...

Fábio Aristimunho disse...

Obrigado, pessoas. O mérito é do Lorca, bons poemas são mais fáceis de traduzir.

Julia, vou te passar os dados.

A/B

Mari disse...

Nossa!
Que bela viagem seu Blog me proporcionou!
Parabéns!